sábado, 16 de outubro de 2010

The rat robbed the robe of the Regent of Rome

Pesquisa FAPESP - January 2010 - Edição 167

Humanities > Political Science

Corruption, a practice as old as humankind
Carlos Haag

It is not just today that it happens; nor is it a “privilege” reserved for Brazilians: already in 343 B.C. Demosthenes (384 B.C.-322 B.C.) in his speech about the false embassy accused Aeschines of corruption and was accused by Dinarchus, in turn, of receiving a bribe to let a political prisoner escape. Andocides, another classic character, who was part of the team that negotiated peace with Sparta, was criticized as being corrupt, while Lysias, an Attic orator, was denounced as being capable of defending any opinion in his brilliant speeches, provided he received payment. “Recent history shows that the democratization of Brazil has brought to light many facts that were not previously brought to the knowledge of public opinion. However, it has not avoided the phenomenon of corruption being repeated and there is evidence that it is far from being a marginal happening in public life,” observe the organizers (Leonardo Avritzer, Newton Bignotto and Heloísa Starling) of “Corrupção, ensaios e críticas” [Corruption: essays and critiques, an immense survey of the most discussed phenomenon of recent times], published by UFMG (598 pages, R$55), with texts by Wanderley Guilherme dos Santos, José Murilo de Carvalho, Lilia Schwarcz, Evaldo Cabral de Mello, Olgária Mattos, Isabel Lustosa, Bruno Speck, and others. “This finding invades the pages of our newspapers, but does not necessarily generate a better understanding of corruption, its effects or its roots. The just indignation felt against those responsible for corrupt acts is followed by moral condemnation, which although essential, does not recount all the complexity of the phenomenon,” the coordinators warn.

After all, the authors observe, from the point of view of the citizen, the country is facing a dilemma when it fights corruption: the more it is fought, the more it makes the headlines, and the more it makes the headlines, the more it is perceived. “From the point of view of the citizen, fighting corruption generates the appearance of its greater presence in the administrative life of Brazil.” The danger is of forever seeing a “sea of mud” in the life of the nation. Another danger is to see this sea only in Brazil. “The tautological explanation that Brazil is corrupt because of its identity almost dispenses with reflecting theoretically upon and empirically studying the phenomenon of corruption. Despite the apparent criticism, this is nothing more than a way of resigning oneself to its reality. From this viewpoint, the country is inevitably and definitively corrupt, due to certain values and practices which, present right from the outset, have become part of its character. This explanation, in addition to being biased, reduces history to its essence and simplifies it by attributing an explanatory overload on culture to the detriment of its varied links with other dimensions of social life,” is the way the organizers analyze it. “Today, the organization Transparency International guarantees that in all countries surveyed there is not one that can record the absence of the phenomenon of corruption. Rich countries, such as the USA, France, Germany or Argentina, appear on the lists in which bribery is seen as routine; bribery is the most widespread form of corruption in the world - it is a two-way practice: countries suffer internally, but they also promote it externally in their business dealings with other countries,” recalls the political scientist from the Federal University of Minas Gerais (UFMG), Wanderley Guilherme dos Santos.

Starting with the famous aphorism, we could create other derivations of it, such as: ‘If oligarchic power corrupts oligarchically, democratic power corrupts democratically’. Compared with other political systems, democracy offers multiple means for corruption because of the number of transactions between individuals and public authorities that encourage it and, normally, because of the volume of funds to be distributed by collective deliberation. In comparison with absolutist and oligarchic orders, democracy is, in principle, the most vulnerable of the known political systems,” is his analysis, and compared with previous systems, in a modern democratic state the number of public authority positions, the occupation of which is submitted to the choice of a universal electorate, is very high, observes the political scientist. Thus, society does not have so much to complain about regarding corruption, since it is responsible for this distribution of power. “The duties of absolutist power are transferred to society and to the same extent that power is distributed the opportunities for corruption implicit in it are also distributed. Because of this, democratic corruption identifies the deteriorated face of the right of the people to participate in the constitution and exercise political power, as Aristotle had anticipated,” evaluates Wanderley dos Santos.

There are other ways of understanding this phenomenon. “Alessandro Sartori says that every political decision produces external risks that affect those obliged to live with a decision in which they did not participate: the risk of tyranny, incompetence and corruption. Thus, corruption is one of the external risks that may negatively affect the operation and results of political systems. However, if there is corruption, then let there be scandals, because publicizing corruption is a sign of the robustness, not the weakness of the political system,” observes political scientist Fátima Anastasia from UFMG. And in Brazil how is this movement observed? “Brazilian corruption is old and mutant: today’s corruption is not the same as it was 100 years ago, or rather, national corruption has changed direction. The accusations of corruption directed against the Empire and the First Republic referred not to people, but mainly to the system. Dom Pedro II was not called corrupt because he presided over a corrupt administration, or in 1930, when the revolutionaries called the politicians of the Old Republic rotten they did not mean they were thieves. It was the systems that were corrupt because they did not promote the commonwealth,” explains historian José Murilo de Carvalho. Starting in 1945 there was a semantic change in the accusation of corruption. “The opposition to Vargas, headed by politicians from the UDN, turned their guns against individual corruption, against the lack of morality of people. In this key, it was individuals who were corrupt, because they stole public money for self-enrichment and for enriching their friends. A similar posture presided over the justification for the coup of 1964, carried out, so it is alleged, against subversive and corrupt people,” he recalls. The current discourse is heir to this UDN-follower discourse, which is present today in the outcry against mensaleiros [opposition politicians receiving money from the Government in return for supporting it] and other predators on the res publica, remembers the historian. At the end of the Sarney government, Collor's war cry, which took him to the Presidency, was also to hunt down people, the "maharajahs.”

However, in the current debate about corruption, a systemic ingredient of an ideological character is also present, which is analogous with the Empire and the First Republic. The most lucid reaction to corruption involves not only individual behavior but also frames it within a systemic political, not moralistic perspective. According to these views, corruption is unacceptable because it undermines the very essence of the democratic-representative system, in its search for good government as a correct, efficient and honest management of the commonwealth,” notes José Murilo. “For others, this criticism is merely "Udenism" and the vision of a good government is an instrument for promoting equality, without being concerned about the correctness of the means adopted.”

The ethical danger that arises from this is latent, but intense. “That’s why politicians from the Left seem to feel hard done by when those who voted for them manifest more indignation at news of corruption in their parties than when faced with the corruption of the conservatives. There is no reason to be amazed. Great disappointments are directly proportional to great hopes,” observes psychoanalyst Maria Rita Kehl. “When it is revealed that a politician elected on the back of a commitment to popular interests acted in his own interest, society becomes bewildered, there is a break in the symbolic field and indignation in the symbolic field may rapidly descend into cynical authorization for a generalized lack of ethics at all levels: ‘or morality is restored…’,” assesses Maria Rita. If those who govern, who occupy the symbolic place of the father, put themselves above the law, violence tends to spread throughout the whole of society. “In Brazil, in 2005, the ‘crisis of the mensalão’ [scandal involving allegations of the Government bribing opposition politicians] aroused feelings of disillusionment and revolt against the Labor Party administration that were more dramatic than against other parties that had shown themselves to be corrupt, since the Labor Party had been elected under the banner of transparency,” she analyses. According to the researcher it is understandable that when a government elected in the name of hope and transformation reveals itself to be like the others, cynicism follows the initial disappointment and perplexity, and political action is demoralized. That is when resentment is born. “

The citizen who imagines himself to be pure, but allows corruption with bitter realism, masks his connivance and acts like the vestal virgin who complains of having been the passive victim of her seducer. He has inadvertently negotiated his class interests in the hope that the benefits of off-book accounting may one day come his way. Resentment is the meeting point between these two psychic currents: unconscious connivance with the offence committed; frustration at not having benefited from it. The opposite of resentment is a return to political action.” From this arises a certain relief of the political class, because corruption is not a privilege of politicians, but is spread throughout the population in general. However, anyone who sees in this roguishness a feature imprinted on our cultural DNA is mistaken, as has already been stated. Where might it have come from, then? “Roguishness is a sub-product that accepts modernization and will tend to be more in evidence the more perverse it proves to be, as is the case with Brazil, and the more distant civil society is from its control. In this sense, roguishness is nothing other than an apolitical response to the cracks left by modern ideology in its task of molding society,” explains sociologist, Venceslau Alves de Souza, author of the PhD thesis, “Malandragem e Cidadania” [Roguishness and citizenship], which he defended at PUC/SP, his tutor being Vera Chaia. According to de Souza, in any amoral social ambience of modernization, whether here, or in parts of the USA, or in Mexico, the common cause of roguishness is the precarious nature of the living conditions of the workers and the rise of corruption, of the jeitinho [underhand way of getting things done], regardless of the physical and psychic characteristics, or the roots from which these or those people originate, but results from the ideology that permeates and shapes a given society. Therefore, the thesis of a national DNA of corruption can be discarded. ”
For a long time there was in Brazil resistance among the ruling segments of society in admitting a domination model based on equal opportunities and conditions, thus rejecting any possibility of social change. This was a determinant for the appearance of the figure of the rogue. Used to governing unconditionally, despots will not recognize themselves as being part of the modern regulatory and classificatory model, finding it difficult to assimilate the notion of rights and equality,” observes the researcher. This, he continues, discourages the lower classes from accepting these imperatives and so tradition defeats modernity. “In this sense, the despots were transformed and transformed the individuals they kept under their control into rogues, because roguishness is nothing other than a phenomenon that refuses to recognize the legitimacy of the modern order, trying to act outside its institutions, albeit in a type of dialectic of order and disorder. What will be reproduced for many a year will be a human mass that seems to want to avoid modern rationality as often as it can. By being prevented from competing on an equal footing since they were born, individuals are led to believe that there is always a ‘jeitinho’ for bending the rigidity of the social hierarchy and for obtaining some advantage, thereby coming out on top,” analyzes the researcher. This is where the roguish habitus starts becoming valid for the most varied of social segments, an unceasing search for a differential cultural capital that authorizes all social classes to use their deceitful cunning whenever necessary. It is for no other reason that the middle classes themselves, which are generally moralistic, will use the resources of roguishness whenever they are indispensable. The response, like that of the corrupt politician, is always the same: “This is what ends up dictating the general pace to morally-challenged individuals living on the periphery of the modern world, and that only a radical shock of citizenship will put to flight.”

quarta-feira, 7 de julho de 2010

O rato roubou a roupa do rei de Roma - Corrupção, uma prática velha como a humanidade

Pesquisa FAPESP

Edição 167 - Janeiro 2010 - Humanidades > Ciência Política

O rato roubou a roupa do rei de Roma - Corrupção, uma prática velha como a humanidade - Carlos Haag

Não é de hoje, tampouco é uma “honra” brasileira: já em 343 a.C. Demóstenes (384 a.C.-322 a.C.) em seu discurso sobre a falsa embaixada acusou Ésquines de corrupção e foi acusado, por sua vez, por Dinarcos de receber suborno para deixar escapar um preso político. Andócides, outro clássico, que fazia parte da equipe que negociava paz com Esparta, foi tachado de corrupto, e Lísias, um orador ático, foi denunciado como sendo capaz de defender em seus discursos, brilhantes, qualquer opinião mediante pagamento.

“A história recente mostra que a redemocratização do país tornou visíveis fatos que antes não chegavam ao conhecimento da opinião pública, mas não evitou que o fenômeno da corrupção se repetisse e há evidências de que ela está longe de ser um acontecimento marginal no interior da vida pública”, observam os organizadores (Leonardo Avritzer, Newton Bignotto e Heloísa Starling) de Corrupção: ensaios e críticas, um imenso survey sobre o fenômeno mais discutido nos tempos recentes, lançado pela Editora da UFMG (598 páginas, R$ 55) com textos de Wanderley Guilherme dos Santos, José Murilo de Carvalho, Lilia Schwarcz, Evaldo Cabral de Mello, Olgária Mattos, Isabel Lustosa, Bruno Speck, entre outros. “Essa constatação povoa as páginas dos jornais, mas não gera necessariamente uma melhor compreensão da corrupção, de seus efeitos e suas raízes. À justa indignação contra aqueles responsáveis pelos atos corruptos segue-se uma condenação moral que, embora essencial, não conta de toda a complexidade do fenômeno”, alertam os coordenadores.

Afinal, observam os autores, do ponto de vista do cidadão, o país enfrenta um dilema no combate à corrupção: quanto mais é combatida, mais ela é noticiada, e quanto mais ela é noticiada, maior é a sua percepção. “Do ponto de vista do cidadão, o combate à corrupção gera a aparência de uma maior presença desta na vida administrativa do Brasil.” O perigo é de se continuar a ver sempre na vida nacional um “mar de lama”. Outro perigo é enxergar esse mar apenas no Brasil. “A explicação tautológica de que o Brasil é corrupto em razão de sua identidade quase prescinde de refletir teoricamente e estudar empiricamente o fenômeno da corrupção. Não deixa de ser, apesar da crítica aparente, uma forma de se conformar à sua realidade. Por essa visão, o país seria inevitável e definitivamente corrupto devido a certos valores e práticas que, presentes desde a origem, tornaram-se parte de seu caráter. Essa explicação, além de preconceituosa, essencializa a história e simplifica ao atribuir uma sobrecarga explicativa à cultura em detrimento de suas articulações variadas com outras dimensões da vida social”, analisam os organizadores. “A organização Transparência Internacional, hoje, assegura que em todos os países pesquisados não há um só em que se possa registrar a ausência do fenômeno da corrupção. Países ricos como os EUA, a França, a Alemanha ou a Argentina comparecem nas listas em que se verifica a rotina do suborno, que é a forma de corrupção mais disseminada no mundo, uma prática de mão dupla: os países sofrem internamente, mas também promovem externamente em seus negócios com outros países”, lembra o cientista político da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Wanderley Guilherme dos Santos.

Partindo do famoso aforismo, poderíamos criar outras derivações como: ‘Se o poder oligárquico corrompe oligarquicamente, o poder democrático corrompe democraticamente’. A democracia oferece, comparada a outros sistemas políticos, uma multiplicidade de meios para a corrupção, pelo número de transações entre pessoas privadas e poderes públicos que estimula e, normalmente, pelo volume dos recursos a serem distribuídos mediante a deliberação coletiva. Comparada às ordens absolutistas e oligárquicas, a democracia seria, em princípio, o mais vulnerável dos sistemas políticos conhecidos”, analisa. Em comparação com os sistemas anteriores, num Estado democrático moderno, é bastante elevada a quantidade de postos de poder público cuja ocupação é submetida à escolha de um eleitorado universalizado, observa o cientista político. Assim, a sociedade não teria tanto o que reclamar sobre a corrupção, já que estaria responsável por essa distribuição do poder. “Transfere-se para a sociedade os atributos do poder absolutista e na mesma extensão em que se distribui o poder distribuem-se as oportunidades de corrupção nele implícitas. Por isso, a corrupção democrática identifica a face deteriorada do direito de participação popular na constituição e exercício do poder político tal como Aristóteles havia antecipado”, avalia Wanderley dos Santos.

Há outras formas de entender esse fenômeno. “Alessandro Sartori afirma que toda decisão política produz riscos externos que afetam aqueles obrigados a consumir a decisão da qual não participaram: riscos de tirania, incompetência e corrupção. Logo, a corrupção é um dos riscos externos que pode afetar negativamente a operação e os resultados dos sistemas políticos. Mas, se há corrupção, que haja escândalos, pois dar publicidade à corrupção é sinal de robustez, e não de fragilidade do sistema político”, observa a cientista política Fátima Anastasia da UFMG. E no Brasil, como se observa esse movimento? “A corrupção brasileira é antiga e mutante: a corrupção de hoje não é a mesma de há 100 anos ou, melhor, mudou o sentido da corrupção nacional. As acusações de corrupção dirigidas ao Império e à Primeira República não se referiam a pessoas, mas principalmente ao sistema. Não se chamava d. Pedro II de corrupto, de presidir uma administração corrupta, ou, em 1930, quando os revolucionários chamavam os políticos da República Velha de carcomidos não queriam dizer que eram ladrões. Corruptos eram os sistemas porque não promoviam o bem público”, explica o historiador José Murilo de Carvalho. Foi a partir de 1945 que houve uma alteração semântica na acusação de corrupção. “A oposição a Vargas, comandada pelos políticos da UDN, voltou suas baterias contra a corrupção individual, contra a falta de moralidade das pessoas. Nessa chave, corruptos eram os indivíduos, porque roubavam dinheiro público para enriquecer a si mesmos e a seus amigos. Postura semelhante presidiu à justificativa do golpe de 1964, feito, como se alegou, contra subversivos e corruptos”, lembra. O discurso atual é herdeiro desse discurso udenista, presente hoje na grita contra mensaleiros e outros predadores da coisa pública, lembra o historiador. Ao final do governo Sarney, o grito de guerra de Collor, que o levou à Presidência, foi também a caça a pessoas, aos marajás.

Mas, no debate atual sobre corrupção, está também presente um ingrediente sistêmico de caráter ideológico, análogo ao do Império e da Primeira República. A reação mais lúcida à corrupção envolve, sim, o comportamento individual, mas o enquadra em perspectiva política sistêmica, não moralista. Para essa posição, a corrupção seria inaceitável por minar a própria essência do sistema democrático-representativo, a busca do bom governo como gestão correta, eficiente e honesta do bem público”, nota José Murilo. “Para outros, essa crítica seria apenas udenismo e a visão de um bom governo seria um instrumento de promoção da igualdade, sem maior preocupação com a correção dos meios adotados.”

O perigo ético que decorre disso é latente, mas intenso. “Daí os políticos de esquerda parecem se sentir mais injustiçados quando seus eleitores manifestam mais indignação diante das notícias de corrupção em seus partidos do que diante da corrupção entre os conservadores. Não há razão para espanto. As grandes decepções são diretamente proporcionais às grandes esperanças”, observa a psicanalista Maria Rita Kehl. “Quando se revela que um político eleito a partir de compromissos com interesses populares agiu em interesse próprio a sociedade fica desnorteada, há uma fratura no campo simbólico e a indignação no campo simbólico pode rapidamente descambar em autorização cínica para a falta de ética generalizada, em todos os níveis: ‘ou restaura-se a moralidade...’”, avalia Maria Rita. Se os governantes, que ocupam o lugar simbólico do pai, colocam-se acima da lei, a violência tende a se disseminar por toda a sociedade. “No Brasil, em 2005, a ‘crise do mensalão’ mobilizou contra o governo do PT sentimentos de desilusão e revolta mais dramáticos do que contra outros partidos que tenham se revelado corruptos, já que o PT se elegera sob a bandeira da transparência”, analisa. Segundo a pesquisadora, é compreensível que quando o governo eleito em nome da esperança e da transformação se revela como os outros o cinismo suceda a decepção e a perplexidade iniciais e a ação política se desmoralize. Nasce, então, o ressentimento.

“O cidadão que se imagina puro, mas admite com amargo realismo a corrupção mascara sua cumplicidade e age como a vestal que se queixa de ter sido a vítima passiva de seu sedutor. Ele negociou, inadvertidamente, seus interesses de classe na esperança de que o caixa dois viesse um dia a beneficiá-lo. O ressentimento é o ponto de encontro entre essas duas correntes psíquicas: a cumplicidade inconsciente com o agravo; de outro, a frustração por não ter se beneficiado dela. O avesso do ressentimento seria a retomada do sentido da ação política.” Disso decorre certo desafogo da classe política, porque a corrupção não seria um privilégio dos políticos, mas estaria espalhada pela população em geral. Mas se engana quem quer ver nessa malandragem um traço impresso no nosso DNA cultural, como já se alertou anteriormente. De onde ele viria, então? “A malandragem é um subproduto que a modernização recebe e tenderá a se evidenciar quão mais perversa ela se mostrar, como é o caso brasileiro, e quão mais distante estiver a sociedade civil de seu controle. Nesse sentido, a malandragem não é outra coisa, mas uma resposta apolítica às fissuras deixadas pela ideologia moderna em sua tarefa de moldar a sociedade”, explica o sociólogo Venceslau Alves de Souza, autor do doutorado Malandragem e cidadania, defendido na PUC/SP sob orientação de Vera Chaia. Segundo ele, em qualquer ambiente social de modernização nefanda, seja aqui, seja em partes dos EUA, seja no México, a causa comum da malandragem é a precarização das condições de vida dos trabalhadores e o surgimento da corrupção do “jeitinho”, independentemente das características físicas, psíquicas ou da raiz de onde se origina este ou aquele povo, mas resulta da ideologia que permeia e configura dada sociedade. Logo, descarta-se a tese de um DNA nacional da corrupção.

Houve entre nós, por um longo período, uma resistência dos segmentos mandões em admitir um modelo de dominação fundado na igualdade de oportunidades e condições afastando qualquer possibilidade de mudança social, o que será determinante para o surgimento da figura do malandro. Acostumados a mandar incondicionalmente, os mandões não se reconhecerão no modelo regulador e classificatório moderno, achando difícil assimilar a noção de direitos e igualdade”, observa o pesquisador. Isso, continua, desestimula as classes baixas a acolher esses imperativos, e assim a tradição venceu a modernidade. “Nesse sentido, os mandões se transformavam e transformavam em malandros os indivíduos que mantinham sob controle, pois a malandragem não é outra coisa que um fenômeno que se nega a reconhecer a legitimidade da ordem moderna, procurando agir ao largo de suas instituições, ainda que numa espécie de dialética da ordem e da desordem. O que se reproduzirá por longa data será uma massa humana que parece querer se esquivar da racionalidade moderna sempre que pode. Ao serem impedidos de competir em pé de igualdade desde que nascem, os indivíduos são levados a crer que há sempre um ‘jeitinho’ para se amolecer a rigidez da hierarquia social e levar vantagem, dando-se bem”, analisa o pesquisador. É daí que o habitus malandro passa a valer para os mais variados segmentos sociais, uma busca incessante do capital cultural diferencial que autoriza todas as classes sociais a usar a ginga sempre que necessário. Não é por outra razão que as próprias classes médias, em geral moralistas, usarão os recursos da malandragem sempre que indispensáveis. A resposta, como ao político corrupto, é a mesma: “É ele que acaba ditando o ritmo geral aos indivíduos moralmente precarizados do lado periférico do mundo moderno, e que somente um choque radical de cidadania irá afungentar”.

A dimensão da concepção minimalista de democracia e o contratualismo que precede Rousseau

No contexto da Teoria Democrática Contemporanea, vou discorrer brevemente sobre os valores que permeiam a concepção minimalista de democracia. Vou sustentar que os teóricos da democracia mínima recorrem ao argumento contratualista moderno anterior a Rousseau, que concebe a liberdade a partir de um prisma individualista e não-igualitário, para fazer valer seus argumentos. Procurarei blindar minha crítica à esta concepçaõ com argumentos de tendências neo-republicanistas, sustentando que qualquer teoria democrática que advenha de uma compreensão da democracia como um mecanismo e não como um ideal, é insatisfatória, pois incorre em ‘erro de origem’. Sustento que o conceito de democracia não pode ficar restrito ao espectro político, pois contamina todos os aspectos da vida social, através do ativismo da sociedade civil e dos movimentos sociais.

Na perspectiva desse texto, democracia boa não é aquela ‘bem comportada’, estruturada sob uma visão burocratizada e restrita da vida política, que não deixa espaços à elasticização da participação política, mas aquela que pressiona a doutrina liberal a compatibilizar liberdade e igualdade, transformando-as em valores complementares, e não antitéticos.

Mas na origem da concepçaõ minimalista de democracia parece assentar exatamente o contrário. É sob a tutela do pensamento de Max Weber que ela se dá, cuja noção de democracia se restringia ao direito das massas ao voto, e de uma elite, eleita por aquelas, para exercer o poder político.

Para chegar a essa conclusão, Weber se vale do discurso contratualista moderno, onde se busca atingir a liberdade individual, relegando a igualdade à abstração. Weber acredita que os indivíduos que comporiam o parlamento deveriam formar um grupo de políticos profissionais selecionados sob critérios racionais. Deveria ser uma elite distinta que, como burocratas, legislasse em nome de todo o povo, já que via como estúpido o cidadão médio, despreparado para tratar de assuntos públicos.

Na base do argumento de Weber – e posteriormente de Schumpeter – está o argumento do contratualismo que antecede Rousseau. Nele, concebe-se a liberdade a partir de um prisma individualista, mas não igualitário. Esse contrato assegurava a todos o direito de ser livres, mas só podia alcançar essa liberdade os que eram economicamente fortes. No pensamento de Max Weber, a democracia era um mecanismo de ‘livre escolha individual’ dos líderes e de competição eleitoral pelo voto do cidadão, um mecanismo institucional de seleção de políticos competentes e capacitados. Para ele a democracia seria uma seleção natural de líderes competentes para a formação do parlamento. O povo ficaria restrito à escolha dos seus representantes retirados de um grupo elitista de políticos profissionais, cujo processo seria garantido pelo aparelho burocrático do Estado. Este seria o instrumento pelo qual a garantia da ordem liberal e da democracia seria efetivada, evitando assim que determinados grupos ou facções se perpetuem no poder político. O parlamento, por sua vez, deveria ser o órgão responsável pelas decisões políticas da sociedade e do Estado.

O minimalismo procurava mostrar ser incompatível o argumento contratualista de liberdade com os ideais igualitários, defendidos por Rousseau. Para Weber, a realização plena da liberdade não podia se dar sem limitar fortemente a igualdade entre os homens. Os cidadãos escolheriam livremente os melhores candidatos para o parlamento e nisso se resumia a compreensão weberiana de democracia. Daí porque não se permite extravasar de um argumento eminentemente político para uma discussão em torno de princípios de justiça, ampliando o alcance original do argumento.

Quando Schumpeter contesta a vontade geral como sendo o substrato das vontades dos indivíduos (Rousseau, 1997), argumentando que estas podem ser as mais diversas possíveis, com vistas a desacreditar a teoria clássica da democracia, fundada na igualdade entre os homens, ele não faz outra coisa que seguir os passos de Weber. A democracia como método real e aplicável deveria excetuar a tirania da maioria e restringir a participação política dos cidadãos apenas ao aspecto de escolha de seus líderes.

Estes viriam de escalões da elite política, os políticos profissionais, que, como o empresário no mercado tenta maximizar suas ações para obter maiores lucros, deveriam utilizar todos os recursos para a obtenção da maioria dos votos dos cidadãos numa competição livre por tais votos. Os políticos estariam inseridos em partidos que têm como principal objetivo chegar ao poder ou manter-se nele (Shumpeter, 1984). Obtendo êxito na disputa, o político vitorioso assumiria o poder onde permaneceria até as próximas eleições.

Mostra que o conceito de democracia não pode ficar restrito ao espectro político, contaminando todos os aspectos da vida social, através do ativismo da sociedade civil e dos movimentos sociais. Schumpeter (1984) segue na mesma linha de Weber, acreditando na racionalização da democracia e restringindo-a ao direito de votar do cidadão, e de ser votado, de uma elite.